A Invenção de Morel

em 19 de fevereiro de 2009

Informações

  • Autor: Adolfo Bioy Casares
  • Tradutor:
  • Editora: Cosac Naify
  • Páginas: 131
  • Ano de Lançamento: 2006
  • Preço Sugerido: R$42,00

A tecnologia um dia suprirá todos os anseios da consciência humana? Será que um dia o ser humano poderá fugir da morte ou pelo menos matar o seu medo de morrer. Afinal a morte é a única certeza da vida, do ventre até sete palmos, o que existe no meio vai de cada um, mas além nunca. Dessa forma podemos usar “A Invenção de Morel” como um verdadeiro questionamento de até onde o homem pode chegar com a tecnologia.

Seguimos o diário do personagem principal, nunca nomeado, o qual nos revela ser um fugitivo da polícia venezuelana e que está escondido em uma ilha inabitável e misteriosa. Em certo momento pessoas começam a surgir na ilha, mas aparentemente pouco se importam com o malfeitor. Ele acaba apaixonando-se por uma morena chamada Faustine que, assim como todos os outros novos habitantes, não interage ou reage as investidas do personagem. Entretanto ele não desiste e acompanhamos sua obstinação em entrar em contato.

Podemos concluir que o mundo do homem, sem a interação, não existe. Ou pior, que o mundo é cheio de pessoas que não se cruzam, mesmo se cruzando. Que todos nós ignoramos vez ou outra alguém indesejável a nós ou um mendigo. A verdade é que nossa visão ignora, nos tornamos cegos para o que queremos. Crianças fingem não sentir dor para desafiar o pai que lhe dá uma chinelada. Seríamos os seres que existem apenas de sensações e interações? Sinto, ergo sum.

Perco a vista. O tato se fez impraticável; minha pele cai; as sensações são ambíguas, dolorosas, procuro evitá-las.

Na verdade a falta de contato com os diversos moradores da ilha deve-se a Morel. O cientista da ilha que tinha como maior ambição superar Deus, não apenas criando novas pessoas, mas perpetuando a vida. Explico: a invenção de Morel é uma máquina que capta tudo de uma pessoa desde seus sentidos até seus mais simplórios movimentos (como um filme se pudéssemos cheirar ou degustar), porém sem uma consciência, uma pós-vida sem essência (ou uma alma, talvez? Apesar de sabermos que Bioy é ateu), onde há uma projeção (como o mito da caverna de Platão, sendo bem risível). O fugitivo quer sair da ilha para encontrar a verdadeira Faustine, mas depois de descobrir que todos que participam desse grande ‘filme’ estão mortos, acaba por querer estudar a máquina e incluir-se nesse mundo, talvez paralelo ou mesmo morto.

Através de uma escrita elegante Bioy nos entrega uma obra que aborda assuntos atemporais: o homem que quer ser Deus, a tecnologia como estopim para uma idéia de eternidade e superação das leis da natureza e o amor platônico. Todavia, não devemos esquecer o personagem-fantasma que faz observações no diário do personagem principal, um editor que coloca diversas observações sobre o que foi escrito, explicitando a inutilidade e atrocidade que gera a invenção de Morel.

Ao final da leitura dinâmica, que devoramos com os olhos rapidamente, chegamos a um dilema que nos encosta à parede: entregaríamos a vida por algo que desejamos incontrolavelmente? Pois aqui não temos Mefistófeles para realizá-los, temos uma invenção feita por nossas próprias mãos que pode nos tirar a vida e deixar-nos no limbo da existência humana. Viver eternamente sem vivenciar mais nada, na prisão da vida eterna.

Jorge Luis Borges classifica a obra como perfeita, eu no máximo, posso parafraseá-lo.

0 comentários para “A Invenção de Morel

  1. Obviamente o filme A Ilha do Dr. Morel deve ter alguma ligação que esse livro.
    Pips esse foi um dos seus melhores textos, espero poder ler mais resenhas como essa, ainda mais se forem de livros bons.
    A Invenção de Morel acaba de entrar na minha lista de futuros livros.

  2. Na verdade “A Ilha do Dr. Moreau” é um romance de H.G. Welles escrito no século XIX. “A Invenção de Morel” é de 1940.

    O que podemos comparar é que em ambos, o homem tenta mexer na natureza de alguma forma. Dr. Moreau tenta criar novas criaturas, ser um novo Deus dentro de uma ilha, ser o criador, o pai. Morel gostaria apenas de superar Deus e acabar com o fim da vida.

  3. Texto muitissímo bem redigido.
    Istiga ao leitor do blog, procurar maiores informações sobre o Livro.
    “Bioy nos entrega uma obra que aborda assuntos atemporais: o homem que quer ser Deus, a tecnologia como estopim para uma idéia de eternidade e superação das leis da natureza e o amor platônico”. Bela observação. Sem sombra de dúvida, essa resenha me remeteu a tantas outras obras que valem a pena ser relidas.

  4. Pips, parabéns pelo texto, muitíssimo bem escrito. Fiquei curiosa para ler o livro.
    Engraçado que enquanto lia a resenha fiquei pensando que o narrador é quem, por alguma razão, estaria morto na história – razão pela qual ele não conseguia interagir com os demais.

  5. Ótima resenha! Eu já tinha ouvido falar nesse livro, mas bem por cima. Se o Borges considera como perfeito, é pq merece ser lido. Mais um pra lista…

  6. Pips, fico feliz de ter indicado tal livro a voce, depois de ler este livro e ver sua resenha, vejo como voce captou bem a essencia do livro, e transcreveu bem o andamento dele e de seus personagens. Muito bem colocado suas visoes filosoficas sobre o livro. Parabens

  7. Pingback: Sinédoque, Nova York « Battle Nerds Blog

  8. Pingback: Sinédoque, Nova York (Kaufman, 2007) | Kino

  9. Pingback: Meia Palavra » Blog Archive » O Sonhos dos Heróis (Adolfo Bioy Casares)

  10. Pingback: Cosac Naify com descontão — Dicas pra não se perder no saldão | Da Editora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.