Noturno do Chile (Roberto Bolaño)

em 18 de março de 2010

Informações

  • Autor: Roberto Bolaño
  • Tradutor:
  • Editora: Companhia das Letras
  • Páginas: 120
  • Ano de Lançamento: 2004
  • Preço Sugerido: R$35,50

Não é apenas de entrelinhas que vive Bolaño, em Noturno do Chile o escritor emprega uma narrativa de fluxo de pensamento em forma de monólogo denso depositado no silêncio de Sebastian Urrutia Lacroix, padre e crítico literário, às vésperas de sua morte.

Sebastian Urrutia torna-se amigo de Farewell, o maior crítico literário do Chile, que o ensina sobre diversas vertentes da literatura. Em meio às histórias dos outros convidados ilustres de Farewell, o padre recebe uma missão das mãos do Srs. Oidem e Oidó na Europa: ele tem de descobrir como as igrejas européias são conservadas. Logo após sua volta, mais uma missão chega às suas mãos: dar aulas de marxismo para o alto escalão militar em plena ditadura.

Lendo Noturno do Chile, a ênfase no silêncio de um crítico literário (que ironicamente é um padre pretensioso e ingênuo), nos faz refletir sobre como a quietude pode nos tornar pessoas apáticas e ao mesmo tempo detalhistas. Sebastian está em um momento febril e quanto mais se aproxima do fim de seu monólogo, mais contraditórios os pensamentos parecem aglutinados as suas inquietações com a morte eminente.

Nessa narrativa interna nos deparamos com nomes da história chilena como Pablo Neruda ou mesmo Augusto Pinochet, todavia o atrativo principal é a condução, Bolaño consegue direcionar a narrativa em pulos no tempo dentro da história de outras personagens, como Don Salvador e Jünger, colocando uma narrativa dentro da outra.

Entre as ambições e divagações sobre a vida, a literatura e a política, Bolaño nos fornece, sob o olhar inocente de um religioso, um retrato competente sobre figuras à mercê de um estado ditatorial apático de cultura e das contradições humanas.

A voz da geração em que foi criado Roberto Bolaño, desde a ditadura até seu exílio, mostra que nos tempos mais difíceis é que podemos criticar o nosso tempo para criar na atualidade uma nova visão sobre o que aconteceu conosco. Creio que Roberto escrevia para entender seu próprio tempo, sobre ele mesmo ele entendia: era um perdido, mas a época em que viveu estava longe da perdição.

0 comentários para “Noturno do Chile (Roberto Bolaño)

  1. Pingback: Meia Palavra » Blog Archive » 2666: A parte dos críticos

  2. Pingback: .:Hellfire Club:. » 2666: A parte dos críticos

  3. Pingback: Hellfire » 2666: A parte dos críticos

  4. Pingback: Meia Palavra » Blog Archive » 2666 (Roberto Bolaño)

  5. Olá Felippe, li Nocturno de Chile essa semana e depois de acabar minha leitura acabei lendo sua resenha a qual achei muito interessante. Gostaria de acrescentar alguns comentários:
    1- O livro só tem dois parágrafos, o primeiro com 130 paginas e o segundo uma linha, segundo alguns blogs as três ultimas palavras do livro eram o titulo desejado pelo autor para o livro.
    2- Os personagens que convidam Lacroix para ir a Europa em espanhol se chamam Odeim e Oido (Odio e Miedo ao contrario), eles aparecem no momento em que o Chile está começando a se convulsionar devido a questões políticas.
    3- Acho muito interessante ler o livro com o Google aberto ao lado para saber quem é quem na trama, a maioria absoluta dos nomes presentes no livro são de personagens reais e os que não são diversos blogs indicam quem poderia ser.
    4- Em varias passagens me parecia que a narrativa se assemelhava muito ao de uma pessoa em estado febril.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.