O Guia do Mochileiro das Galáxias – Douglas Adams

em 23 de agosto de 2010

Hoje começo a postar uma sequência de resenhas sobre uma das séries mais divertidas e originais que eu já li. Estou falando do Guia do Mochileiro das Galáxias, do autor Douglas Adams. A obra completa é definida como uma “trilogia de quatro livros mais um”, isso porque o último livro pode ser lido como uma história independente dos outros quatro e foi escrito anos depois.

A narrativa apresenta como característica básica a sátira e o bom humor. Douglas Adams descreve o comportamento humano de forma irônica e engraçada, que muitas vezes pode ser comparada a realidades do nosso cotidiano. Dessa maneira, o leitor consegue se identificar com as situações propostas no livro, mesmo que a obra seja ficção científica pura e inclua casos extremamente diferentes e irreais, sem falar em diversas criaturas extraterrestres.

O primeiro livro da série, no qual eu vou me aprofundar hoje, acabou por dar o nome da saga completa: “O Guia do Mochileiro das Galáxias”. Ele começa em uma quinta-feira, quando Arthur Dent descobre que a sua casa será demolida para dar lugar a um desvio, como diz a passagem “… a história daquela quinta-feira terrível e idiota, a história de suas extraordinárias consequências e este livro extraordinário – tudo isso teve um começo muito simples. Começou com uma casa.”

Mas isso não é tudo, porque Arthur descobre que não só sua casa, como todo o planeta será destroçado para dar lugar a um desvio em uma rodovia espacial. Por sorte (ou talvez azar) ele é salvo por seu amigo, Ford Prefect, que usava até então o disfarce de ator desempregado, mas na verdade era um antropólogo que estava a catalogar planetas para uma nova edição da enciclopédia do “Guia do Mochileiro das Galáxias”.

Segundo o livro, “Em muitas das civilizações mais tranquilonas da Borda Oriental da Galáxia, O Guia do Mochileiro das Galáxias já substituiu a grande Enciclopédia Galáctica como repositório-padrão de todo conhecimento e sabedoria, pois […] ele é superior à obra mais antiga e mais prosaica em dois aspectos importantes. Em primeiro lugar, é ligeiramente mais barato; em segundo lugar, traz impressa na capa, em letras garrafais e amigáveis, a frase não entre em pânico.”

Ao longo deste primeiro livro, Arthur e Ford vão percorrer o hiperespaço e conhecer, por exemplo, Trillian, Zaphod Beeblebrox e Marvin, personagens engraçadíssimos. Zaphod, por exemplo, é o estereótipo de um político, que não sabe exatamente o que faz, age como bem entende e comete loucuras o tempo inteiro. Já Marvin, é um robô com características depressivas humanas, o que o torna insuportável para todos os outros personagens, mas muito divertido para o leitor e Trillian é uma quase ex-namorada de Arthur, que acabou por preferir sair com Zaphod em uma festa terráquea.

No decorrer da trama, os cinco vão parar em Magrathea, planeta construtor de planetas, que no momento se encontra desativado por vias econômicas, além de descobrir (ou não) a tão famosa respostas para a vida, o universo e tudo mais e que talvez os seres humanos nunca tenham sido os mais inteligentes e dominadores do planeta Terra.

No fim, depois de passar por várias perseguições e aventuras no hiperespaço, os cinco resolvem comer no “Restaurante no Fim do Universo”, título do segundo livro da “trilogia”, afinal, segundo o livro: “A história de todas as grandes civilizações galácticas tende a atravessar três fases distintas e identificáveis – as da sobrevivência, da interrogação e da sofisticação, também conhecidas como do por que e do aonde. Por exemplo, a primeira fase é caracterizada pela pergunta: Como vamos poder comer? A segunda, pela pergunta: Por que comemos? E a terceira, pela pergunta: Aonde vamos almoçar?”

COMENTE ESSE ARTIGO NO FÓRUM MEIA PALAVRA

8 comentários para “O Guia do Mochileiro das Galáxias – Douglas Adams

  1. Está para sair (ou já saiu e eu não sei) um livro que se baseia no universo de O Guia do Mochileiro das Galáxias, cujo escritor é Eoin Colfer, autor também de Artemis Fowl.

    Realmente não sei o que pensar sobre isso, pois o humor de Adams é algo extraordinário, a sátira, como escrito no artigo é feita com tanta maestria que fica difícil imaginar outra pessoa escrevendo O Guia.

  2. Esse livro não carece de muitas explicações.

    É apenas humor sem sentido extremamente hilário (embora sempre se encontre uns que não acharam graça).

    Adoro os personagens. Adoro as situações. É um dos livros que mais reli até hoje. Uma pena que só os 3 primeiros mantém o alto nível.

    E essas novas capas estão tão bacanas que vou acabar comprando os livros mais uma vez. XD

    MARVIN ETERNO!!!

  3. Pois é, eu não acho graça na série do Mochileiro. Eu acho muito boa, mas não consigo enxergá-la como de comédia ou até mesmo divertida. Eu acho extremamente triste e melancólica, em especial do terceiro livro para a frente.

    É interessante mencionar também que, no Ultimate Hitchhiker´s Guide to the Galaxy vem um conto do Adams chamado Young Zaphod plays it safe.

  4. O 4º livro tem um “que” de melancólico mesmo, mas nos 3 primeiros eu gargalhei, chorei de rir literalmente.

    O 5º livro só dá raiva.

  5. Conheci os livros da série um pouco tarde, tendo me apaixonado pelos três primeiros, amarrado a cara no segundo (sendo que depois de pensar um pouco adorei) e quase rasgado o quinto (que reli o final mais uma vez, o que fez eu até gostar).
    Sobre o “sexto livro da trilogia de cinco” que será escrito por Eoin Colfer, autor de Artemis Fowl (que ainda não tive a oportunidade de ler), tem previsão de lançamento para o início de 2011. Falaram que o livro é muito bom, e que não desonra a obra de Douglas Adams. Eu particulamente estou esperando ancioso por este “novo fim”, principalmente porque o “primeiro fim” não foi lá dos mais convincentes (até porque o próprio D.A disse ter em mente escrever mais um livro para a série).

  6. Muito bom 😀
    Marvin é muito fofinho *_*
    “o universo e tudo mais e que talvez os seres humanos nunca tenham sido os mais inteligentes e dominadores do planeta Terra.”
    fato! mania do homem se achar o Sr. do Universo ¬¬

  7. Para mim essa série carece sim de muitas explicações porque o que está contido nas entrelinhas nem todo muito compreende. Ela contém inúmeras críticas bem humoradas à nossa sociedade consumista, hipócrita e por aí vai. Há muita filosofia ali e é sempre bom encontrar discussões a respeito dessa série GENIAL!! Não vejo a hora de ler o 6º livro, não foi escrito pelo Douglas Adams, mas fã que é fã bem que gostaria de ver um final diferente para a história.

  8. Não consigo enxergar o humor de Douglas Adams, como extraordinário… Tem leves pinceladas de ironia e só, um pouco engraçadinho. Achei enfadonho e só. Penso que eu não estava com o estado de espírito propício pra coisa. :/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.