Fahrenheit 451 (Ray Bradbury)

em 13 de outubro de 2011

Informações

  • Autor: Ray Bradbury
  • Tradutor: Cid Knipel
  • Editora: Globo
  • Páginas: 264
  • Ano de Lançamento: 2012
  • Preço Sugerido: R$ 16,80

Há alguns dias estava dando uma olhada no top 100 Livros de Ficção Científica e Fantasia da NPR Books e fiquei feliz em descobrir que pelo menos no topo do ranking tinha lido boa parte das obras. Do “resto” eu pelo menos ouvi falar de 90%. Sempre gostei de Ficção Científica, mas o fato é que não dedico lá muito tempo para ler obras do gênero, hábito que pretendo corrigir daqui em diante. A propósito, Fahrenheit 451 está na sétima posição.

A Ficção Científica causa reações das mais diversas nos leitores, reações essas que vão desde a já clássica “torcida de nariz” até a mais entusiástica celebração. Mas, esteja você na primeira ou na segunda categoria, acho que deveria dar uma chance para Fahrenheit 451, do autor norte-americano Ray Bradbury. Dificilmente você vai ter uma reação tão simples como as duas supracitadas.

O protagonista da história é Guy Montag, um bombeiro, que vive uma vida medíocre, alternada com seu trabalho, queimar livros (sim, ironicamente Bradbury chama de bombeiros os responsáveis por queimar livros!); e sua esposa, que constantemente o cobra para comprarem mais uma “TV-parede”, aparelho que permite a comunicação com a “família”: outras pessoas que conversam através da TV.

A pulga atrás da orelha de Montag é alocada lá quando Clarisse, sua vizinha, com toda a sua não-convencionalidade de comportamento, desperta a curiosidade de Montag sobre uma porção de coisas, como olhar para as estrelas, andar devagar, contemplar a realidade circundante etc., ou seja, tudo o que o status quo vê como vagabundagem ou subversão.

A sociedade distópica que Bradbury criou tem como uma de suas marcas mais contundentes a prática de incendiar livros. A temperatura que dá título à obra é justamente aquela em que o papel se inflama. Aliada a essa prática vem outras, cujo fulcro principal é inibir toda possível forma de questionamento de modo a gerar um conformismo tal que os sujeitos mais se assemelham a formas de vida amorfas do que seres humanos.

Tal como em 1984, onde encontramos Winston Smith manipulando informações para “alterar” o passado, também em Fahrenheit 451 percebemos mecanismos maquiavélicos de cercear os pensamentos e canalizar o senso comum para que realidades passadas, memórias ou frutos de reflexão, deixem de fazer sentido e se tornem impressões descabidas. É dessa forma que pouquíssimas pessoas se lembram de que houve um tempo em que bombeiros apagavam o fogo e não o produziam ou que carros andavam menos que 150 ou 160 quilômetros por hora, visto que essa é, em média, a velocidade com que se movem na realidade bradburyana.

Com a semente do questionamento plantada, não leva muito tempo para que as raízes penetrem no cérebro de Montag e ele passe de destruidor de livros a curioso, e daí a opositor aberto da tirania bibliofóbica. É nesse embalo que ele recebe duras de Beatty, um dos arautos da queima de livros, que defende a inutilidade dos livros; e conhece Faber, um dos poucos que se lembra do potencial que possuíam os livros, que vive aterrorizado pela opressão sistemática contra suas concepções e antigo modo de vida.

Bradbury criou uma distopia com contornos de pesadelo, onde a queima de livros é um dos pilares de sustentação da ignorância. Procura-se violentamente substituir o livro pela televisão, na qual a dominação é mais eficaz e as liberdades de reflexão são toldadas pelo fluxo contínuo de imagens e de espetáculo. A esposa de Montag é o arquétipo da alienação, estando completamente incapacitada de pensar criticamente sua própria realidade circundante, quem sabe nem mesmo enxergar essa realidade ela possa, tão absorta encontra-se em seu mundinho televisivo.

O autor disse que ao escrever o romance quis dar cores ao melancólico processo de disseminação da televisão e encolhimento das perspectivas dos leitores e amantes de livros. Não se pode dizer que não haja uma boa porção de verdade por trás das cores ficcionais que dão o tom do livro. Longe de ser meramente escapismo, em Fahrenheit 451 a Ficção Científica serve a nossas próprias faculdades reflexivas, fazendo-nos enxergar nosso mundo de um outro prisma. Esse prisma é assustador o suficiente para provocar ao menos uma fagulha, não para queimar um livro, mas quem sabe para acender uma tocha que nos permita enxergar além.

Um comentário para “Fahrenheit 451 (Ray Bradbury)

  1. Pingback: Meia Palavra Indica: Distopias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.