Flip 2012 – Moves like Lenine

em 5 de julho de 2012

“Isso é só o começo!” Essas foram as primeiras palavras cantadas por Lenine em seu show. E, para mim, assim foi mesmo: havia perdido a conferência de abertura com Luis Fernando Veríssimo, Antonio Cícero e Silviano Santiago, e não estava particularmente interessado na Ciranda de Tarituba que tocou antes – minha porção de raízes se apresentaria depois, com o cantor pernambucano.

lenine

Não conhecia praticamente nenhuma das músicas cantadas pelo artista, meu conterrâneo, com exceção de uma que o público insistentemente pediu aos gritos: “Paciência”, creio que era o título. Mas não penso que isso mude em nada a sensação de volta para casa que tive ao ouvi-lo, semelhante à leitura de A máquina, romance de Adriana Falcão. Essa coisa de matar a saudade de algo que nunca tinha visto antes.

O show chamava-se Chão. A intervenção de barulhos da cidade (buzinas, carros passando, pessoas andando sobre cascalho) misturada às luzes e a presença de palco do cara (ops, estou esquecendo de algo… ah! a música!) fizeram do show um belíssimo pé direito para esse começo de Flip. No meio do show, lembrei da música I walk like Jane Mansfield e pensei que faria sentido o povo sair de lá andando como Lenine, conquanto não seja lá muito prático.

Quem vai lavar a roupa? Fonte. E pra raiar o dia? Horizonte. Aqui é uma maravilha. Mas como faz pra sair da ilha? Ponte de pensamento. Eu não tenho ideia de como seja a letra realmente. ((Para os puristas de plantão: “Como é que faz pra lavar a roupa?/ Vai na fonte, vai na fonte/ Como é que faz pra raiar o dia?/ No horizonte, no horizonte/ Este lugar é uma maravilha/ Mas como é que faz pra sair da ilha?/ Pela ponte, pela ponte”)) No meio de tantas canções, creio que a música tenha sido tão marcante para mim justamente pelo meu aprendizado gradual nisso que chamam tão clichê de “escola de vida”.

Há o que temos de fazer (o trabalho, o lavar a roupa) e o que acontece naturalmente (o raiar do dia). O que acontece naturalmente já é bom o bastante para admirarmos o mundo (raiar do dia, a maravilha), mas não é o suficiente. Bom mesmo é sair da bolha de egoísmo do dia a dia, do protagonismo de nossos own little movies about our precious little lives e “sair da ilha com pontes de pensamento”.

O Arthur de anos atrás teria simplesmente deixado as malas na casa do Meia Palavra tão logo todo mundo chegasse; correria para ver o bom e fofo velhinho na conferência de abertura e voltaria para casa tão logo acabassem os eventos da primeira noite. Para que procurar depois o Café que, segundo o SMS recebido, se chamaria “Paratoba” (o nome era Paraty, claro)? Para que cansar as pernas e continuar dando topada nas pedras da rua? Não há uma razão muito boa (ou lógica ou prática): “para não ficar só” e “porque é legal” são respostas corretas, mas invariavelmente bobas.

Rompi a bolha de meu protagonismo e fui atrás de pontes. “A vontade de viver do Tuca é maior do que a de todos os integrantes dessa casa”, disse Antônio Xerxenesky, o consagrado autor de Ghostwriters do barulho, no prelo para 2027. Há algo de exagero na frase, mas ela pode ser respondida como um simples “é culpa da companhia”.

Um comentário para “Flip 2012 – Moves like Lenine

  1. Pingback: TOC do Tuca: Tuca’s Infinite Playlist

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.