Entre amigos (Amós Oz)

em 28 de Março de 2014

Informações

  • Autor: Amós Oz
  • Tradutor: Paulo Geiger
  • Editora: Cia. das Letras
  • Páginas: 136
  • Ano de Lançamento: 2014
  • Preço Sugerido: R$34,00

O movimento Kibutznik foi, sem dúvida, a pedra fundamental da construção do Estado de Israel. Colônias agrícolas criadas a partir do trabalho árduo e da ideologia foram tão importantes quanto as guerras que garantiram a Israel sua independência e existência – e, certamente, muito mais honestas e humanas. O sionismo, o comunismo e o secularismo eram suas matrizes ideológicas, tão poderosas que a derrocada desse tripé praticamente marcou também o fim dos kibutzim (e de toda uma era na história israelense): por mais que os kibutzim ainda existam, hoje são mais como cooperativas agrícolas voltadas ao comércio e ao turismo, parecem-me uma zombaria daquilo que um dia foram.

Mesmo hoje, porém, em uma época que o sionismo revisionista é a tendência político-ideológica dominante no país e na qual os kibutzim em pouco lembram seu início, Israel ainda é muito influenciado pelas vivências daqueles pioneiros e das gerações subsequentes: muitos de seus mais influentes intelectuais e políticos passaram ao menos parte de suas vidas nessas fazendas coletivas.

Uma dessas pessoas é Amós Oz, escritor veterano, um dos mais famosos e influentes a publicar em hebraico. Passou parte de sua juventude em um Kibutz e isso muito provavelmente teve grande impacto em sua forma de ver o mundo. Seu último livro, Entre amigos, publicado pela Companhia das Letras em tradução de Paulo Geiger, é uma amostra disso.

O livro traz oito contos ambientados no Ikhat, durante os anos 1950. A cada conto novas personagens são introduzidas e as dos contos anteriores revistas ou aprofundadas, formando uma trama que não é de modo algum única ou linear, mas que tece, como a uma tapeçaria, um cenário rico em detalhes e ideias.

Entre amigos abre com o conto O rei da Noruega, que acompanha uma espécie de desventura amorosa – se é possível chamar o que acontece assim – de Tzvi Provizor, exímio jardineiro e paisagista, tradutor de Iwaszkiewicz, que foge do contato humano com a mesma avidez que se lança a espalhar as notícias das infelicidades do mundo.

Já nesse conto somos apresentados a Roni Shindlin, palhaço fofoqueiro que é quase onipresente, sempre com uma aura de desdém e gozação para com os problemas e dilemas alheios: em Duas mulheres, quando o esposo de Osnat a abandona para viver com outra mulher, ele é um dos primeiros a espalhar palavras maldosas.

Shindlin também estrela seu próprio drama, em Um menininho. Seu filho, cruelmente apelidado de Iuval Catarral, é uma criança fraca que sofre com as provocações e maus-tratos de seus coleguinhas – com quem vive na moradia coletiva das crianças. É justamente isso que leva Roni a entrar em curso de colisão com os princípios e a sociedade do kibutz.

De maneira semelhante, em Dir Adjlun, a mãe viúva Henia Kalish decide confrontar a estrita sociedade comunal em nome de seu filho, Iotam, que recebeu do tio – que abandonou o kibutz – o convite para estudar na Itália. Apesar da oposição de Ioav Karni – o jovem secretario do kibutz – e de David Dagan – um velho, mas sedutor e ideologicamente irredutível veterano –, ela está disposta a conseguir que seu filho aproveite tal oportunidade. Iotam, porém, não compartilha de seu entusiasmo.

E assim, conto a conto, Oz desenha com maestria a complexa vida no kibutz Ikhat. E o resultado final é um desenho bastante belo, mas sem dúvida um tanto quanto triste e sem esperança – talvez por Oz e o leitor saberem o que acontece depois, coisa que as personagens podem apenas suspeitar. Bastante significativamente o único conto em que o tom é outro é o último, Esperanto, em que Martin Vanderberg – sapateiro do kibutz, teimoso sobrevivente da Shoah – morre. Mas não sem dar algumas aulas de esperanto  e de esperança para Moshe Iashar (um jovem de família pobre que visita o pai moribundo no conto Pai), Osnat (de Duas mulheres) e Tzvi Provizor (chamado de “Anjo da Morte” por Roni Shindlin no conto que abre o livro).

A estrutura narrativa é bastante similar à de outros livros do autor, como Cenas da vida na aldeia – a coleção de contos que pode ser encarada, talvez, como uma sequência de capítulos de ligação tênue, uma novela em que o espaço (físico e ideológico) assume o protagonismo. Mostra, porém, não apenas um Amós Oz bastante maduro, mas também um pouco envelhecido: parece surgir certa preocupação com o futuro, com o que será do mundo quando as próximas gerações o assumirem.

Um comentário para “Entre amigos (Amós Oz)

  1. “Belo, triste e sem esperanças”.
    Comprei “Entre amigos”, porque “A Caixa Preta” estava esgotado na livraria (novamente).
    Mas essa breve descrição me fez criar um gostinho por ele.
    Volto quando terminar de ler.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *