Era do Jazz, made in Japan

Quando da láurea do escritor japonês Yasunari Kawabata com o Nobel de Literatura em 1968, a Academia Sueca justificou sua escolha da seguinte maneira: “por sua maestria narrativa, que com grande sensibilidade expressa a essência da mente japonesa”. A comissão … Leia mais

O último dos magnatas, por F. Scott Fitzgerald

Tenho um apreço especial pela obra do escritor norte-americano Francis Scott Key Fitzgerald. Foi através de uma indagação após a leitura de O grande Gatsby que experimentei um dos turning points de minha obsessão com os clássicos. Explico-me: quando terminei … Leia mais

Os curiosos usos modernos da língua – Parte I

Trabalho como professor de inglês numa escola de idiomas da cidade onde moro e devo confessar que a quantidade de surpresas com as quais me deparo ao longo do dia a dia do trabalho compensa qualquer tipo de cansaço que … Leia mais

Hobsbawm e o século XXI

Consigo até imaginar o que muitos diriam se lessem hoje a entrevista que Eric Hobsbawm concedeu a Antonio Polito em 1999, jornalista que, à época, trabalhava no La Republica, jornal italiano. Estando em 2013 (a catorze anos, portanto, daquela data) … Leia mais

A arcaica lavoura de Nassar

Uma impressão similar à que tive ao ler Um copo de cólera tive também ao ler Lavoura arcaica: a narrativa de Nassar a todo o tempo parecia me remeter à prosa rascante de Franz Kafka. Essa percepção, sobre a qual … Leia mais

Patti e Robert ou Só garotos

Alguns escritores têm vidas tão interessantes quanto as histórias de seus romances e escritos. Como exemplo disso, podemos citar Hemingway e London, que viveram tantas aventuras quanto os personagens de suas histórias. Mas existem também escritores que, por mais que … Leia mais

Um transbordante copo de cólera

Acho que seria auspicioso iniciar esta resenha sob a sombra daquela famosa frase de Kafka, na qual ele diz que as obras literárias têm de nos atingir como uma tragédia. Confesso que essa frase foi uma espécie de mantra que … Leia mais

Hotel Savoy

Se você ouvir falar em “geração perdida”, provavelmente vai se lembrar, quase que de cara, dos escritores Ernest Hemingway e F. Scott Fitzgerald. Mas é bastante provável que não se lembre – ou pelo menos não nesse contexto – do escritor … Leia mais

Roth e a moralidade do bon vivant

Em Paris, sob as pontes do Sena, um homem vestido elegantemente caminha em busca de alguém. E é sob uma dessas pontes que encontra a pessoa a quem estava procurando, um mendigo andrajoso que casualmente se levantara e se dirigira … Leia mais

Assim na terra como na literatura

Chega quase a ser engraçado como nossas impressões iniciais acerca, por exemplo, de um livro podem resultar no mais acachapante dos enganos. Não que eu tenha resolvido encarar Assim na terra com a impressão de que seria só mais um … Leia mais

Barreira, um romance (que extrapola o) visual

Como parte da edição 2013 da Copa de Literatura Brasileira, o Posfácio tem participado das partidas através dos comentários da mesa-redonda, de modo que foi demandado que lêssemos todos os livros que estão na disputa. Posso dizer que vem sendo … Leia mais

O fin-de-siècle, por Hobsbawm

Poucos estudiosos conseguem se distanciar tanto da realidade contemporânea para explicá-la quanto Eric Hobsbawm. Enquanto continuamos tão imersos na realidade para a enxergarmos em perspectiva, o historiador inglês era capaz de se pôr à distância e direcionar seu olhar para … Leia mais