A plebeia (John Burnham Schwartz)

em 1 de fevereiro de 2011

Chamá-lo de uma verdadeira obra-prima é um exagero, mas, esse livro é fundamental para entender o comportamento de um povo tão diferente do povo brasileiro, ao ler A plebeia me senti muitas vezes sufocado com a rigidez da encantadora tradição japonesa e entendi o porquê da Imperatriz entrar em um esgotamento nervoso e perder a voz por um tempo.

A plebeia é a história emocionante de uma existência sufocada e do relacionamento entre duas mulheres solitárias que, apesar de visadas por toda a sociedade, são compreendidas somente uma pela outra.

Esse não é um conto de fadas onde a princesa encontra o seu principe encantado e são felizes para sempre; essa é uma história real, inspirada na vida da Imperatriz Michiko e, contada pelo olhar único da primeira princesa do Japão que não possuia sangue azul.

Não é qualquer mulher que deixaria sua carreira profissional promissora para se casar por amor com um “deus”. Haruko entregou sua vida pela tradição e bem estar de seu povo, mas vai perceber que ela não se transformou em uma “deusa” só porque se casou com o príncipe do Japão e garantiu a ele um herdeiro ao Trono do Crisântemo.

Haruko é uma mulher a frente do seu tempo e vemos isso desde a sua infância, onde os males da guerra mudam a sociedade japonesa; vale ressaltar que cheguei a achar beleza e dor durante a descrição delicada que o autor fez da guerra.

Durante a adolescência Haruko aprenderá, não uma vez apenas, a renunciar ao início de um possível amor e entenderá que ser melhor que um “deus” pode lhe custar caro.

O grande porém do livro e que faz ele deixar de ser uma “obra-prima” é justamente o olhar estadunidense do autor John Burnham Schwartz no final do livro, dá até pra entender a boa intenção do autor, mas isso não impede de ser apreciado com toda a atenção que merece. Em A plebeia você conhecerá a história de uma mulher verdadeira e não da equivocada estória de Cinderela. Depois desse livro você pensará duas vezes se vai querer encontrar seu príncipe encantado!

Sobre o autor: Evandro de Campos Câmara, estudante de Administração e apaixonado por design; possui uma relação de amor e ódio com os livros desde a infância. twitter: @EwanCamp

COMENTE ESSE ARTIGO NO FÓRUM MEIA PALAVRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.