Diário da queda (Michel Laub)

em 19 de setembro de 2011

Algumas coisas que sei (ou acho que sei) sobre Michel Laub.

Nasceu em Porto Alegre, pouco antes de mim. É escritor e jornalista. Antes de escrever ‘Diário da queda’ publicou quatro romances. Foi finalista do prêmio Jabuti e do prêmio Portugal Telecom, com o romance ‘O Segundo Tempo’. Mas para saber disso basta comprar o livro resenhado e ler a orelha.

Coisas que eu não sabia sobre Michel Laub.

Como nunca tinha lido nenhum livro de sua autoria, não sabia que o cara é um baita escritor. Nunca li matérias, entrevistas, contos, escritos por ele. Mas de um tempo pra cá tenho acompanhado com grande admiração sua coluna mensal no ‘Blog da Companhia’ (http://www.blogdacompanhia.com.br), em que senta ao lado de figuras importantes do meio editorial, escritores consagrados e jovens expoentes.

Não é só o domínio da língua (impecável) que vem me deixando entusiasmado com seus textos, mas seu controle raro sobre a linguagem, seu jeito muito próprio, bastante autêntico, de contar uma história, de expressar suas ideias, de colocar seu ponto de vista, enfim, foi uma descoberta e tanto pra mim, que aconteceu de modo bastante comum. Li uma resenha do ‘Diário…’ no caderno ‘Prosa & verso’ do jornal O Globo (peço perdão por não lembrar o autor da resenha), me interessei, procurei em algumas livrarias, e depois de alguns dias encontrei um exemplar, comprei e deixei sobre a pilha interminável de livros por ler.

Coisas que sei sobre mim.

Desenvolvi uma espécie de doença tardia, que costuma acometer adolescentes ou jovens adultos, e leva a pessoa viciar em qualquer livro do gênero policial. Como ‘Diário da queda’ está longe de figurar em uma prateleira ao lado de clássicos da Agatha Christie, Dennis Lehane ou Rubem Fonseca, era provável que dormisse alguns meses na pilha da estante bagunçada do meu quarto. Houve, entretanto, uma inesperada mudança no meu quadro clínico. Depois de muito tempo me dedicando à leitura de ‘policiais’ preferi dar um tempo, desintoxicar. Do que havia à minha disposição, escolhi o livro do Michel. Que sorte!!!

Tudo que sei sobre o diário.

O livro é escrito como fosse um diário (não se precipite, é diferente de tudo o que você já leu), o protagonista numa espécie de auto-avaliação que parte desde a lembrança de um fato que marcou sua vida na adolescência alterando (será?) o curso da sua história. Trata daquelas recordações que acompanham as pessoas e as transformam, positiva ou negativamente, e é tão dolorosamente verdadeiro que é impossível o leitor não terminar, ele próprio, seguindo pelo mesmo caminho.

Suas lembranças surgem por um emaranhado de motivações, aparentemente desconexas e mal relacionadas com o passado do avô e do pai, que aos poucos vão desfiando para terminar em um único e belo cordão. Tudo ali é ligado, tudo ali é uma coisa, sem justificação, explicação, expiação, redenção, são o que são, porque foram o que foram, e continuarão a ser.

E não trata apenas daquele homem, daquela família e do seu legado. ‘Diário da queda’ avança, com franca honestidade, sobre o que todos humanos somos, como chegamos até ali, para concluir que ainda assim é possível se transformar e continuar sendo o que se é.

Nota final.

Um grande livro, bem pensado, bem executado, bem publicado, com a incrível capacidade de envolver, sensibilizar, convencer, emocionar, fazer refletir, um livro difícil de esquecer. O melhor livro que li esse ano, e que dificilmente será superado. Presença certa nas listas de prêmios de 2011 (espero) e que passou a representar para mim, como aspirante a autor, o marco definitivo que ‘a queda’ descrita, exumada, examinada, periciada, avaliada, analisada, foi para o seu protagonista.

Sobre o autor: Fernando de Abreu Barreto, advogado, 35 anos e mora no Rio de Janeiro, trabalhou com cinema, cursou comunicação social. Há alguns anos tem se dedicado à literatura escrevendo contos e buscando editoras para publicar romances. Enquanto o tempo passa e uma resposta não vem, escreve em um blog pessoal resenhas de livros que lê. Aliás, lê compulsivamente, ouve música compulsivamente, assiste a filmes compulsivamente, só mesmo ao Direito se dedica com pouco afinco (rs). Escreve no Crimineliber.

LAUB, Michel. Diário da Queda. Companhia das Letras, 2011. 151 págs. Preço sugerido: R$ 38,50

Saiba mais sobre essa e outras obras no site da Companhia das Letras

Um comentário para “Diário da queda (Michel Laub)

  1. Pingback: Links da semana « Blog da Companhia das Letras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.