Histórias de Fantasmas (Michael Cox)

em 15 de fevereiro de 2011

Histórias que abordam a temática do sobrenatural estão presentes há muito tempo na literatura. Fantasmas, vampiros e lobisomens aparecem em narrativas de amor proibido, grandes massacres, assassinatos misteriosos, guerras entre linhagens e, até mesmo, pulam do gênero do terror e suspense para o humor.

Em 10+ “Histórias de Fantasmas”, Michael Cox usa uma linguagem simples e cotidiana, além de ilustrações, para fazer um apanhado das narrativas que falam a respeito de fantasmas. O livro, em sua introdução, promete trazer algumas histórias de tirar o fôlego e outras de morrer de rir. Ao percorrer as páginas, o leitor vai se deparar com autores como Sir. Arthur Conan Doyle, M.R. James a Arthur Machen, traduzidos por Ricardo Gouveia. Em alguns casos, as narrativas foram modificadas e atualizadas pelo autor Michael Cox, com o fim de trazê-las para tempos atuais. Ao final de cada conto, seguem-se “dez fatos horripilantes sobre fantasmas”, que abordam curiosidades, lendas e um pouco da ciência acerca do sobrenatural.

Minha sensação ao ler o livro, não foi de calafrios ou medo. Apesar da promessa da introdução, Michael Cox aborda muito mais o tema do humor, misturado a algumas ironias, do que propriamente o medo. Em sua escrita, o autor traça uma espécie de diálogo com seu leitor. Algumas vezes, ele próprio brinca e debocha de alguns dados que coloca. Sente-se que o público que o autor quer atrair é muito mais o infanto-juvenil curioso do que o adulto sério. A seleção dos 10 contos é, sem dúvida, muito boa, o que muda é a abordagem que ele escolheu traçar.

O fato é que não temos nenhuma comprovação da existência de fantasmas, e a pretensão do livro não é provar o contrário, mas sim entreter e fazer esse apanhado de narrativas. As ilustrações são a prova disso: Em várias delas, pode-se perceber um conteúdo cheio de piadas e humor, são ilustrações que usam traços caricatos das historias em quadrinhos.

Para mim, o livro, apesar de repleto de informações, não se aprofunda em nenhuma delas. Por exemplo, na sessão de fatos horripilantes, lemos um ou dois parágrafos a respeito de cada “tipo” de fantasma, mas apenas isso. O livro trata de um apanhado geral, podendo deixar um espaço a ser preenchido para aquele leitor que sempre quer saber mais e é apaixonado pelo temor. Em algumas atualizações das histórias, acho que o autor tirou o suspense e medo que suas versões originais possuíam.

Por exemplo, no conto de Henry James, A Outra volta do parafuso, Michael Cox opta por criar a figura de um caricato locutor de rádio, que muito suaviza a tensão do conto original, escrito em 1898. No original, que é escrito em primeira pessoa, uma mulher, que cuida de duas crianças, nos conta relatos que beiram a esquizofrenia, quando passa a ver fantasmas que rondam as crianças. Para escrever o conto, Henry James se baseou em relatos médicos sobre doenças como epilepsia, além de conversar com um Arcebispo sobre fantasmas que possuíam crianças. O leitor que conhece esse clássico, certamente sente calafrios ao ler essa história.

Então, eu indicaria as versões de Michael Fox para um público mais ávido pelo humor do que pelas histórias de terror. Outra possibilidade, é quem já é conhecedor das histórias, em suas versões originais, e quer vê-las sobre uma nova ótica.

Saiba mais sobre essa e outras obras no site da Companhia das Letras

10+ Histórias de Fantasmas

Michael Cox
Tradução: Ricardo Gouveia
224 páginas
Preço sugerido: R$29,90

COMENTE ESSE ARTIGO NO FÓRUM MEIA PALAVRA

2 comentários para “Histórias de Fantasmas (Michael Cox)

  1. Pingback: Links da semana « Blog da Companhia das Letras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.