Onde os velhos não têm vez (Cormac McCarthy)

em 14 de fevereiro de 2011

Onde os Velhos não têm Vez é um romance do escritor norte-americano Cormac McCarthy, adaptado para o cinema em 2007 pelos irmãos Joel e Ethan Coen, com uma fidelidade quase absoluta e poucas vezes vista antes. Mas esta não é a história da adaptação vencedora do oscar de melhor filme em 2008, e sim da excelente obra de McCarthy.

A história é a da fuga de Llewelyn Moss, homem que acha uma válise (e alguns corpos de homens mortos) em meio a um deserto com mais de dois milhões de dólares. A partir do momento em que decide pegá-la para si, é perseguido incessantemente por Anton Chigurh, um assassino psicopata em busca da válise. Por sua vez, o xerife Ed Tom Bell investiga as mortes relacionadas à operação que falhou e deu fim à maleta, se envolvendo assim na história da perseguição de Moss.

O título do romance (no original, No Country for Old Men) se refere justamente à personagem do xerife. Em certa passagem, ele diz que antigamente os professores das escolas tinham que se preocupar apenas com conversas em salas de aula e crianças mascando chicletes. Anos depois, as preocupações são bem mais graves: assassinato. Estupro. Bell não se conforma com os efeitos dos narcóticos sobre as pessoas. É como se não houvesse mais lugar para pessoas como ele, que ainda possuem valores morais e princípios.

O escritor alterna a narrativa entre os diversos personagens, mostrando alguns pensamentos de Bell em primeira pessoa, (dando a ele uma dimensão que os outros personagens não possuem) e simplesmente descrevendo as ações dos demais em terceira. A narrativa é crua e com pouco espaço para reflexões, – exceto as do xerife – e segue por isso em um ritmo quase cinematográfico. McCarthy possui um estilo de escrever que pode irritar os leitores no início: o uso excessivo de e’s e a falta de vírgulas, travessões ou aspas, fazendo com que as vezes fiquemos perdidos entre as frases. Porém a narrativa é ágil e hipnotizante. Ele não se demora muito em descrições; assim a história flui tranquilamente.

Por fim, vale mencionar outro personagem: o psicopata Chigurh. Mesmo vendo apenas suas ações e diálogos, conseguimos ver toda a loucura e princípios deturpados do personagem, que aposta vidas no cara ou coroa. Mas enfim, fico por aqui para não dar mais spoilers sobre a trama. A quem se interessar pelo livro, só digo uma coisa: vale MUITO a pena.

Onde os velhos não têm vez
Cormac McCarthy
Tradução: Adriana Lisboa
256 páginas
Preço sugerido: R$39,90
Versão digital

Sobre o autor: Aline sempre gostou de ler. Só não sabia muito bem o que escolher até entrar para o Meia Palavra, quando a quantidade (e qualidade) de suas leituras subiu consideravelmente. Adora números e matemática, não anda sem um livro na bolsa e pode ser vista pelo fórum dando opiniões sobre cinema e literatura, sempre acompanhada pelo seu nick de música dos Beatles, .Penny Lane..

Um comentário para “Onde os velhos não têm vez (Cormac McCarthy)

  1. Pingback: Alvo Noturno (Ricardo Piglia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.