Manon Lescaut (Abbé Prevost)

em 26 de maio de 2010

Informações

  • Autor: Abbé Prevost
  • Tradutor: Casimiro L. M. Fernandes
  • Editora: Ediouro
  • Páginas: 137
  • Ano de Lançamento: 1996
  • Preço Sugerido: -

Uma grande parte da literatura romântica é facilmente reconhecida por sua estética marcada por um rebusco digno de ourives com as palavras. A forma como as frases são construídas, a colocação de adjetivos, advérbios e verbos de forma invertida, a adjetivação riquíssima, isso além de uma série de outras características típicas marcam e dão o tom aos romances de folhetins e adjacentes. Porém, ao falar de românticos no sentido que a palavra ganhou com o passar do tempo (um deles, pelo menos), é falar de uma concepção de amor, de afeto e de paixão conhecidos pela sua avassaladora imperiosidade sobre a vida do indivíduo.

Esse amor que desgraça a vida do amante ao mesmo tempo em que o faz estar à iminência do gozo sublime a todo o momento é uma das características que move a obra Manon Lescaut, publicada pela primeira vez em 1731 e de autoria de Abbé Prevost. Para aqueles que já leram A dama das camélias, de Alexandre Dumas Filho, Manon Lescaut é o livro que o protagonista encontra e compra no início da história e que o leva a conhecer a história de Margarida Gauthier.

Tratando dos encontros e desencontros amorosos do cavalheiro des Grieux e de Manon Lescaut, uma bela moça que cativa os olhares masculinos por onde passa, o livro é um típico exemplo da concepção de amor e até mesmo qual a representação da mulher para os românticos. Manon aprisiona de tal forma o coração de des Grieux, que esse não mede esforços (literalmente) para estar ao seu lado e satisfazer seus caprichos, mesmo que à menor ameaça de dificuldades financeiras, aquela não hesita em deixá-lo em detrimento do luxo e da opulência de amantes mais abastados. Junte a isso ainda um amigo religioso, um cunhado interesseiro e preocupações financeiras e terá a fórmula mais ou menos delimitada do que é a trama de Manon Lescaut.

Embora possa parecer o início de um dramalhão, a história tem todos os elementos que se tornarão clássicos da estética e temática literária romântica. O amor é visto como algo extremamente contraditório, pois se a correspondência amorosa é a suprema ventura; qualquer sentimento que se afaste dessa reciprocidade é a própria desgraça do amante. A própria visão do amor que parece exigir quase mais do que satisfazer, propriedade essa ligada diretamente a visão da mulher para o romântico: um ser misterioso, cujo ventre guarda o segredo da vida, cujo semblante sorridente encerra os mais profundos e intrigantes mistérios do amor, uma criatura que pode tanto ser a benção quanto a maldição do romântico, do homem que dedica a sua existência a bem-aventurança da mulher amada.

Essa visão idealizada da mulher acaba mistificando seus defeitos, transformando-os em atitudes aceitáveis ou meras imperfeições quase graciosas, já que o apaixonado não enxerga senão as virtudes de sua amada. O pedestal de castidade e “semi-divindade” sobre o qual grande parte das musas românticas são colocadas vem a ruir quando entra em cena a mulher realista/naturalista, que tem seus defeitos exacerbados e mostrados nua e cruamente, diferentemente da romantização que se tem sobre aquelas musas frágeis e misteriosas que enchem as páginas da literatura romântica.

Se o olhar do romântico faz de cada passo, olhar ou ato de sua musa uma manifestação da graça e da beleza, o desenrolar da trama é também devagar e contemplativo, em que os floreios ganham um peso no correr da pena que faz o enredo oscilar entre belíssimo e pesado demais para seguir adiante.

Para compreender Manon Lescaut, na minha opinião, é necessário ter em vista quais eram os ideais de beleza e de literatura da época, quais as formas, quais as temáticas, quais as recorrências e tendências que se tinham naquele momento histórico específico. Mesmo enfurecendo-se a certa altura com o furor apaixonado de des Grieux e as leviandades de Manon, o leitor tem a oportunidade de ver que a obra é emblemática ao tratar de temas tão caros aos românticos de um modo tão rebuscado que parece beirar uma perspectiva de belo pelo belo. Assim como o amor de des Grieux pela jovem Manon é exacerbado e às vezes inconseqüente, assim também o é o “amor literário” romântico pelos floreios, que fazem pesar a trama a tal ponto que por vezes se arrasta. Como diz Prevost através de seus personagens: “Amor! amor! (…) quando te reconciliarás com a prudência?”

Um comentário para “Manon Lescaut (Abbé Prevost)

  1. que belo artigo, lucas!
    aliás, “a história tem todos os elementos que se tornarão clássicos da estética e temática literária romântica. O amor é visto como algo extremamente contraditório, pois se a correspondência amorosa é a suprema ventura; qualquer sentimento que se afaste dessa reciprocidade é a própria desgraça do amante”, perfeita a caracterízação – lembrei de imediato do werther, de goethe, encarnação máxima desse pathos do romantismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.