Especial Alan Moore: Watchmen

Quando me ofereci para resenhar Watchmen tinha em mente que acabaria falando mais da adaptação de Zack Snyder do que da Graphic Novel em si. Muitas pessoas correram atrás do relançamento da história concebida por Alan Moore num encadernado com todos os exemplares e nem podemos culpar, a plástica do filme é muito fiel – consegue ser mais atraente do que Sin City, por exemplo, porque muitos acharam a história cool e não ligaram muito para o jogo de contrastes -, mas sua narrativa é totalmente dilacerada. Ok, não posso culpar o diretor por isso, mesmo que quisesse jogar tudo para cima dele, porque, apesar da HQ ter uma narração cinematográfica, basta folhear algumas páginas para ver que tudo segue um padrão de storyboard, mas em sua essência a narrativa é episódica e só daria certo em um seriado com grande orçamento e para televisão fechada – alô HBO! Tamo junto.

Leia mais

Especial Alan Moore: V de Vingança

Alan Moore é daqueles autores que se tornaram cult seja pelas histórias sensacionais que escreve, seja pelas excentricidades que o cercam e pelas quais é lembrado. Praticamente tudo o que ele põe as mãos acaba virando algo memorável, e não é diferente com V de Vingança.

Leia mais

Especial Alan Moore: A Liga Extradordinária

Considerando que até o filme já tem quase 10 anos, vou assumir que, como eu, todo mundo já leu A Liga Extraordinária dezessete vezes e meia. Assim sendo, vou tentar ser relevante (uh oh) e compartilhar algumas ideias sobre o lugar da obra no mundo dos Quadrinhos, da Cultura Pop e Tudo Mais. Não espere uma sinopse ou análises ou qualquer aprofundamento nos temas e/ou na história em si. Também não espere muita coerência; eu não sou blogueiro, muito menos jornalista. Eu nem trabalho aqui. Eu definitivamente podia ter sido mais focado e econômico, e classificaria os parágrafos abaixo como algo entre um artigo normal com tangentes demais ou um texto em fluxo de consciência com pontuação demais. Você decide. Tais são os luxos da democracia. (Embora o Meia Palavra não seja exatamente uma democracia; o Pips me ameaçou com um cabide enferrujado pra eu escrever isso. Você pode estar se perguntando “como um cabide enferrujado pode ser tão ameaçador?” A resposta é óbvia: ele cortou em seis pedaços e colocou entre os dedos pra fazer garras de Wolverine.) Leia mais