O povo é como tronco de árvore

“O povo é como tronco de árvore. Todos se apoiam a ele, sobem por ele, para apanhar os frutos que estão lá em cima. Não é o povo que lhes interessa. Só os frutos.” 1 A primeira imagem que tive … Leia mais

O mundo se despede e outros links

Jornais de todo o mundo prestaram homenagem hoje ao escritor Chinua Achebe, cuja morte, aos 82 anos, foi anunciada pela manhã; Relembre o ensaio “The Song of Ourselves”, em que Achebe questiona sua própria posição como “avô da literatura africana” … Leia mais

A paz dura pouco (Chinua Achebe)

Conforme havia escrito na resenha de O mundo se despedaça, gosto da maneira como Chinua Achebe consegue conciliar as possibilidades de extensão dos livros da trilogia africana – i.e., a “duração” da trama – com os movimentos da história dos … Leia mais

O mundo se despedaça (Chinua Achebe)

Em minhas poucas incursões no terreno da literatura africana, Chinua Achebe foi um dos autores de quem mais gostei, especialmente pela simplicidade sincera de sua narrativa e a concomitante complexidade subjacente de sua abordagem histórica e artística. O romance O … Leia mais

A confissão da leoa (Mia Couto)

Tenho encontrado ótimas surpresas na literatura africana. Desde Coetzee até Achebe, há uma porção de bons prosadores e cronistas a retratar o percurso histórico da África em suas generalidades e peculiaridades, dando visibilidade a questões presentes e passadas sob diferentes … Leia mais

O último voo do flamingo (Mia Couto)

Existia um lugar em que a noite ainda não fora inventada. Em certo momento, nessa região, o flamingo anunciou que faria seu último voo. Quando questionado para onde iria, ele explicou que existiam dois tipos de céu: um voável, que … Leia mais

Uma curva no rio (V.S. Naipaul)

O livro Uma curva no rio, do escritor nascido em Trinidad e Tobago, V.S. Naipaul, traz no título o que parece ser uma referência geográfica, ou ao menos uma referência de localização. Entretanto, conforme o novelo da trama vai sendo … Leia mais

E se Obama fosse africano? (Mia Couto)

A primeira vez que tive contato com a obra de Mia Couto foi através do livro “O último vôo do flamingo”. A narrativa era carregada pela crença popular africana, junto com a sensiblidade e ironia refinada do autor. O que posso … Leia mais

Um olhar sobre as Literaturas Africanas de Língua Portuguesa

Por muito tempo, o continente africano foi visto, na menos pior das hipóteses, como um lugar exótico. Visão que foi amplamente difundida por Portugal, que, durante um longo período, teve o monopólio sobre alguns países africanos. Esse modo ocidental de … Leia mais

Terra Sonâmbula (Mia Couto)

Na Moçambique pós-guerra, temos um cenário devastado onde a cultura e a sobrevivência são dois elementos que se cruzam em “Terra Sonâmbula” de Mia Couto, um inventor de palavras que constroem sonhos de uma realidade. Somos apresentados ao velho Tuahir … Leia mais