De repente, nas profundezas do bosque (Amós Oz)

Já havia travado contato com a prosa de Amós Oz através da obra A caixa-preta, livro, aliás, que achei sensacional: muito bem escrito, muito consciente das potencialidades dos artifícios narrativos dos quais se vale e sensível em seu trato com … Leia mais

A paz dura pouco (Chinua Achebe)

Conforme havia escrito na resenha de O mundo se despedaça, gosto da maneira como Chinua Achebe consegue conciliar as possibilidades de extensão dos livros da trilogia africana – i.e., a “duração” da trama – com os movimentos da história dos … Leia mais

O mundo se despedaça (Chinua Achebe)

Em minhas poucas incursões no terreno da literatura africana, Chinua Achebe foi um dos autores de quem mais gostei, especialmente pela simplicidade sincera de sua narrativa e a concomitante complexidade subjacente de sua abordagem histórica e artística. O romance O … Leia mais

A confissão da leoa (Mia Couto)

Tenho encontrado ótimas surpresas na literatura africana. Desde Coetzee até Achebe, há uma porção de bons prosadores e cronistas a retratar o percurso histórico da África em suas generalidades e peculiaridades, dando visibilidade a questões presentes e passadas sob diferentes … Leia mais

Submundo (Don DeLillo)

A literatura norte-americana atual possui uma safra de autores muito interessantes, os quais, cada qual a seu modo, têm tentado retratar os dilemas impostos pelo desenvolvimento histórico ocorrido nos Estados Unidos, naquilo que alguns chamam de pós-modernidade. Don DeLillo é … Leia mais

Os enamoramentos (Javier Marías)

As relações amorosas são cercadas de toda a sorte de complicações, venturas e tragédias. O amor ganhou na literatura as mais diversas expressões e roupagens, sendo tanto o ato sublime supremo – ao qual os românticos tanto aludem -, o … Leia mais

Ensaio sobre a lucidez (José Saramago)

Em toda eleição um pensamento me vem à cabeça: e se as maioria dos eleitores resolvesse votar em branco? O que aconteceria? Eu nunca passei de algumas reflexões hipotéticas superficiais e meramente episódicas, já José Saramago foi mais longe: escreveu … Leia mais

Os anéis de Saturno (W.G. Sebald)

Cheguei a Sebald pela curiosidade despertada em mim pelas resenhas de Cidade aberta, do escritor nigero-americano Teju Cole. Várias delas citavam o autor alemão como uma referência bastante sensível ao longo da trama, principalmente no que diz respeito às andanças … Leia mais

Confetes na eira (Franca Treur)

Conforme foi possível ver nos artigos que o Daniel Dago escreveu sobre Literatura Holandesa que ainda não possui tradução para o português (parte I e parte II), há uma porção de obras boas por aquelas bandas das quais pouco (ou … Leia mais

Cidade aberta (Teju Cole)

O ato de caminhar, como certamente concordaria Thoreau, enseja toda sorte de destinos, tanto externa quanto internamente, em caminhos materiais e em sendas espirituais. Não é o que acontece com Holden Caufield, em O apanhador no campo de centeio? Não … Leia mais

Desafio – Autoras de literatura contemporânea brasileira

A blogosfera literária adora desafios, aparentemente. Ainda que, num primeiro momento, eu tenha torcido o nariz até para o nome (acho que desafio tem um tom mais de “situação ou grande problema a ser vencido ou superado” do que de … Leia mais

A história do amor (Nicole Krauss)

A escritora Nicole Krauss, casada com o também escritor Jonathan Safran Foer, vem ganhando o público e a crítica por meio de sua envolvente prosa e sua forma toda especial de contar histórias de forma entrelaçada, a um tempo individuais … Leia mais