A beleza outonal de García Márquez

Quando Memórias de minhas putas tristes foi publicado, em 2004, se desencadeou um verdadeiro frenesi nas ruas da capital colombiana. Tem-se notícia que antes mesmo da publicação oficial, circulava uma versão pirata pelas ruas de Bogotá, uma que continha menos … Leia mais

“Viva a Música!”: urgência e vazio

Andrés Caicedo nasceu em Cali, na Colômbia, em 1951, e se matou na mesma cidade em março de 1977. Foi dramaturgo, organizador de cineclubes e escritor. Com seu suicídio prematuro, sua figura marginal e uma literatura extremamente fincada nas vozes … Leia mais

Paradiso latino-americano

Cotejar uma obra literária que é tida como a maior expressão do barroco latino-americano é uma tarefa que exige um fôlego de análise distinto, pois faz-se necessário ir além daquilo que caracteriza o barroco “somente” enquanto expressão estética. É preciso … Leia mais

O amor raivoso de Garcia Márquez

Bukowski nos ensina: o amor é um cão dos diabos. Amor errante, amor errado, amor perdido. São vários (ou todos?) os autores que já discorreram sobre o amor na Literatura, poucos com tanto brilho quanto Gabriel Garcia Márquez. Prosa bem … Leia mais

Bonsái (Alejandro Zambra)

Quando um bom autor surge, publicado pela primeira vez em língua portuguesa, é comum que as reações sejam superlativas. Isso é especialmente verdade quando o escritor se encaixa em algum nicho literário que anda recebendo atenção especial da mídia especializada. … Leia mais

História secreta de Costaguana (Juan Gabriel Vásquez)

‘Os artistas ruins imitam, os bons roubam.’ Eu poderia atribuir essa citação a pelo menos duas pessoas (sem incorrer nas costumeiras atribuições erradas da internet, como as que transformam Kierkegaard em autoajuda): Pablo Picasso (creio que explicações são desnecessárias) e … Leia mais

Cães heróis (Mario Bellatin)

Há muito mais a ser compreendido do que imediatamente compreensível no livro Cães heróis, do mexicano Mario Bellatin. O estilo de escrita dele, desde a forma seca, direta e enxuta; até os recursos narrativos – que procuram restringir os eventos … Leia mais

Histórias e Estórias – Astúrias e o “realismo mágico-histórico”

O escritor guatemalteco Miguel Angel Astúrias, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 1967, traduziu do quéchua muitas das lendas que faziam parte dos mitos de criação da civilização maia, reunidos no livro Leyendas de Guatemala, infelizmente sem tradução. A … Leia mais

Historia universal de la infamia (Jorge Luis Borges)

O realismo mágico é uma das correntes literárias mais famosas de todos os tempos. É, também, inequivocamente associada à América Latina e, em especial, ao escritor argentino Jorge Luis Borges. Pois que Angel Flores, o primeiro a utilizar o termo, … Leia mais

Contos essenciais Meia Palavra: Pruebas irrefutables de vida inteligente en otros planetas (Rodrigo Fresán)

Eis que inauguro uma nova série de posts aqui no Meia Palavra: os contos essenciais. Não acredito que uma explicação muito detalhada acerca disso seja realmente necessária, já que o nome é bastante auto-explicativo. Mas cabem alguns detalhes: mais ou … Leia mais

O papa verde (Miguel Ángel Astúrias)

A trilogia bananera do autor guatemalteco Miguel Angel Astúrias, iniciada com Vento forte, continua com O papa verde, livro de 1954. A figura que dá título ao livro já era conhecida do primeiro livro: o presidente da companhia Tropical Bananeira … Leia mais

História do cabelo (Alan Pauls)

Fui empolgado para conhecer a obra do argentino Alan Pauls, História do cabelo (2010), que, aliás, faz parte de uma trilogia sobre a Argentina da década de 70 cujos demais títulos são História do pranto (o primeiro, lançado em 2008) … Leia mais