Uma colcha de retalhos

Não é que eu odeie efemérides. Apenas as considero totalmente desnecessárias de um modo geral. Pensando bem, na verdade, elas são uma manobra para lá de pobre para conseguir uma certa audiência para um veículo de comunicação. Usar a data … Leia mais

Uma antologia de Murilo Mendes só não basta

Gosto muito de Murilo Mendes. Talvez seja, na minha opinião, um dos poetas do país menos elogiados do que deveria ser. É claro que, em parte, digo isso porque gosto desse poeta mineiro, de Juiz de Fora, até mais do … Leia mais

O mexicano, ou como estar de frente para o outro e não se ver

A princípio, pessoalmente, O labirinto da solidão (1950), livro de ensaios de Octavio Paz (1914-1998), me lembrou muito da proposta – bem como do livro como execução – de A conquista da América (1982), de Tzvetan Todorov. Em ambos os … Leia mais

O fundo do céu

Aficionados por gêneros conseguem farejar de longe as referências dentro de uma obra. Os fãs de quadrinhos se deliciam com os easter eggs deixados pela Marvel em seus filmes. Os geeks saltam quando ouvem o nome de Stephen Strange ou … Leia mais

“Escrevi ‘Na escuridão, amanhã’ para matar meu pai” – entrevista com Rogério Pereira

Muito antes de publicar seu primeiro livro de ficção, o jornalista e, agora, também escritor, Rogério Pereira, já era um nome conhecido e respeitado no meio literário. Fundou em 2000 o Rascunho, um dos nossos jornais mais importantes e o … Leia mais

O panfletário do caos da invenção da poesia

Em um dos vários textos escritos a respeito de Invenção de Orfeu (1952), Murilo Mendes nos conta sua relação pessoal com a obra do alagoano Jorge de Lima, aproximação de amigo e admiração de poeta. Relatos da discussão sobre o … Leia mais

Novos escritores e suas narrativas breves

Ano passado, ao ler o artigo “E então, quando vem o romance?”, de Marcelo Moutinho, praticamente abortei, pela metade, um texto que escrevia – aliás, o texto a seguir. Falar também sobre narrativas breves1 pareceu-me desnecessário, de tanto que gostei … Leia mais

O verdadeiro personagem é o autor

“Com uma história dessas, o sujeito é forçado a virar um gênio. Ou isso, ou ele acaba rindo. Trancado num quarto de paredes espessamente estofadas pelo Estado.” É assim, na introdução de A lanterna mágica, que Woody Allen define seu … Leia mais

Você gosta de poesia?

Aparentemente, a pergunta é das mais temidas em festas literárias como a Flip. Você está à procura de um lugar para almoçar rapidinho antes de um evento, quando um cidadão brota das pedras irregulares do calçamento e tasca a bendita … Leia mais

Quando exatamente nos apaixonamos?

A paixão por um livro, por exemplo, se inicia quando escolho a capa do meu exemplar? (No caso do livro que citarei, não é apenas uma questão de pegar o menos sujo e amassado: as capas são distintas umas das … Leia mais

Season Finale da Literatura 2013: Capas, Títulos e Trocadilhos

Posso chamar esse ano de atípico nas minhas leituras, comecei mais do que terminei, recebi bem mais do que sou capaz de ler, absorver e resenhar. Todavia, é bem fácil continuar como um grande consumidor de livros e ir papando … Leia mais

O retrato de Samuel Beckett quando jovem

Acredito que Samuel Beckett (1906-1989) é uma figura conhecida da maioria dos leitores desta página, o que me leva a evitar grandes descrições de sua biografia e sua trajetória literária. Todos o relacionamos imediatamente ao chamado Teatro do Absurdo, termo … Leia mais