Um pequeno Finn de Joyce

Nos últimos tempos, no Brasil, felizmente acompanhamos uma retomada feroz de leituras da obra de James Joyce. Em parte, trata-se de um fenômeno social derivado do campo jurídico: a obra do autor irlandês entrou em domínio público em 2012, o … Leia mais

5 formas criativas de fazer um bom romance durar mais

Uma verdade incontestável: tudo que é bom dura pouco. Sim, eu sei que Longe da árvore – aquele calhamaço maravilhoso de 1056 páginas, escrito por Andrew Solomon – vai demorar horrores para ser lido, mas o fato é que toda … Leia mais

Escritores ruins e advérbios, as Eras de Bowie, Papa Argentino e outros links

O novo Papa é argentino e não temos só isso para comentar sobre o caso. Saiba um pouco mais dos anos de ditadura e algumas coisinhas mais sobre ele; Ainda sobre o papado: Cinco Prêmios Nobel, dois Oscar, Malbec, Dulce de … Leia mais

O ano da bandana

Um dos mais renomados escritores da literatura contemporânea estará na boca e nas prateleiras dos leitores do Brasil em 2013: David Foster Wallace. Nascido em Ithaca, no estado de Nova York, em 1962, formou-se em Língua Inglesa e Filosofia. Em … Leia mais

Os Imagistas, uma antologia

por Matheus “Mavericco” I. O livro que resenho não possui tradução para o português; ou, se possui, não é integral. Sendo assim, para facilitar o trabalho de uma gama de leitores, propus, amadoramente (mas com um mínimo de decência), a … Leia mais

Um dado de lances: A língua fascista e as prisões realistas

Em sua famosa aula inaugural do Collège de France, em 1977, Roland Barthes lançou uma noção que, dentre tantas outras suas, acabou sendo polêmica na medida certa. É claro que se você foi chamado para integrar o corpo docente de … Leia mais

James Joyce, um ser humano

Acho que, depois dessa semana – em que houve praticamente um intensivo de James Joyce aqui no Meia Palavra – qualquer apresentação a respeito do autor seria desnecessária. Falou-se de praticamente tudo: Dublinenses, Um retrato do artista quando jovem, Ulysses, … Leia mais

Caminhos recorrentes para Finnegans Wake

Levei trinta anos para acreditar que era possível encarar a opus magna de James Joyce, o mais famoso dos livros que ninguém leu: Finnegans Wake, ou, na tradução brasileira, Finnicius Revém. Convenci-me de que é possível enfrentar o gigante de … Leia mais

Yes, nós temos Ulysses

Um lançamento concorrido Poucas vezes tinha visto um lançamento tão cheio em Curitiba. O lançamento de Muchacha, de Laerte Coutinho, foi bem concorrido – pudera, uma lenda viva entre nós. O de Muito além do nosso eu, de Miguel Nicolelis, … Leia mais

Dublinenses (James Joyce)

Não há como negar: existe uma aura de mistério em torno de James Joyce. Seja pela sua fama de complexidade intrincada, seja pelo vulto que suas obras vieram a assumir em relação ao cânone universal, a leitura de quaisquer de … Leia mais

Um retrato do artista quando jovem (James Joyce)

Muito listado entre as principais obras literárias do século XX, Um retrato do artista quando jovem (1916) tem duas traduções brasileiras até o momento, sendo a primeira de José Geraldo Vieira, lançada em 1945, e a segunda de Bernardina da Silveira Pinheiro (que … Leia mais

Pomes Penyeach (James Joyce)

Assim como Música de câmara (Chamber Music), os Pomes Penyeach (1927) são uma amostra da poesia, o outro lado menos conhecido de James Joyce, famoso por suas obras em prosa. O que temos em seus poemas não está longe do … Leia mais