Carta a D. (André Gorz)

Li o livro Carta a D., de André Gorz, empréstimo inesperado de um amigo sociólogo. A despeito da simplicidade da obra, a leitura foi muito prazerosa, enriquecedora, e até mesmo reconfortante, em vista de alguns questionamentos que me têm atormentado … Leia mais

V de Vingança (Alan Moore)

Como se costuma dizer que V de Vingança é uma história típica dos anos 80, vale a pena entender o que fez com que Alan Moore a escrevesse. Não é o temor de uma guerra nuclear que o motiva, mas … Leia mais

A Flip e o Ruído Branco

Ian McEwan acaba de passar por mim. O grande autor inglês caminha cuidadosamente pelo pavimento irregular do centro histórico, acompanhado por uma jovem desconhecida. Penso em dizer alguma coisa, mas tudo que posso pensar em dizer me parecem besteiras: fazer sobre seus livros os … Leia mais

A Semana de Arte Moderna – mito e história

Este ano comemoram-se os noventa anos da Semana de Arte Moderna, marco inicial do nosso Modernismo,  realizada nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922, no Teatro Municipal de São Paulo. Como acontece em todas as datas redondas, … Leia mais

Le système Victoria (Éric Reinhardt)

“Tal era o sistema que fundava a existência de Victoria: jamais estar no mesmo lugar, segmentar-se num grande número de atividades e projetos para nunca se deixar aprisionar por nenhuma verdade – mas ser em si mesma, dentro do movimento, … Leia mais

The Pale King (David Foster Wallace) – Parte II

Leia a primeira parte da resenha de The Pale King aqui. Ao mesmo tempo, reconhece avisos jurídicos que tomamos por nada, o bom e velho “qualquer semelhança à realidade é pura coincidência”, e imagina se com isso tudo ainda vale de … Leia mais

The Pale King (David Foster Wallace) – Parte I

Em suas anotações no manuscrito do eternamente inacabado The Pale King, David Foster Wallace define o livro como “uma série de eventos na qual algo terrível ameaça acontecer, mas nunca acontece”. Vivemos por eventos, o romance defende, mesmo do além … Leia mais

Dragão Vermelho (Thomas Harris)

O terror é, talvez, o gênero de ficção mais conjuntural dentre todas as formas de fantasia narrativa. Enquanto aventuras e amores se mantêm relativamente eternos, nos tocando com dedos semelhantes aos que passaram pelos olhos de leitores de gerações passadas, … Leia mais

O livro de Praga – Narrativas de amor e arte (Sérgio Sant’Anna)

O borbulhar do gênio Uma leitura de O livro de Praga – narrativas de amor e arte ou porque Sérgio Sant’Anna é o maior escritor brasileiro vivo. Vencedor de inúmeros prêmios e, bem mais importante que isso, dono de uma … Leia mais

Lady Macbeth do Distrito de Mtzensk (Nikolai Leskov)

Considerando-se que a Rússia é um país de enormes dimensões, espalhado por dois continentes, não deixa de ser uma grande injustiça que a teoria literária limite o estudo da produção russa a três nomes: Dostoiévski, Tchekhov e Tolstói. Em termos comparativos, seria como resumir … Leia mais

10 Razões Para Não Aderir ao e-book no Brasil

Pode parecer um bocado incoerente que alguém supostamente favorável à disseminação de uma tecnologia se ocupe em relacionar anti-motivos para o uso dessa mesma tecnologia, mas eu penso que é apenas um exercício útil para tentar encontrar soluções para mudar … Leia mais

Duas peças de Machado de Assis (Parte Final)

Leia a primeira, segunda e terceira parte de Duas peças de Machado de Assis. (IV) Da epístola a Quintino Bocaiúva, enviando-lhe alguns exemplares de umas comédias suas para avaliação, é interessante que citemos os trechos mais citados: Se a minha … Leia mais