Alienistas alienados

Antes de tudo, queria deixar claro: eu não li O alienista. Na verdade, conheci Machado de Assis aos 16 anos depois de ler Dom Casmurro. Não foi tarefa tão árdua: venho de uma família que sempre me estimulou a ler … Leia mais

Saber ou não saber: eis a questão

Sabe-se que ter elementos de um romance policial não faz com que um livro necessariamente se encaixe nesse gênero. A tônica investigativa está presente na literatura desde os livros clássicos até os best-sellers.  Ao tomarmos conhecimento da “Trilogia Tebana”, de … Leia mais

10 outros (melhores) grandes inícios da literatura

NONADA. Nós sabemos que você sabe de cor quem é LO-LI-TA. Sabemos que as famílias são felizes igualmente e infelizes a sua maneira; e você, provavelmente, conhece Gregor Samsa, aquele jovem que um dia acordou de sonhos inquietos e vislumbrou … Leia mais

Plágio vs. Criptomnésia, Leitura Alimenta e outros links

O sentido de um fim “explicado” por Oliver Sacks: A diferença entre plágio e criptomnésia, entre a apropriação de trabalha intelectual alheio e a simples construção de memórias, na coluna de João Pereira Coutinho; Cesta Básica: arroz, feijão, óleo, carne, Dom … Leia mais

Esaú e Jacó (Machado de Assis)

Em O leopardo, de Tomasi di Lampedusa, é famoso o momento em que Tancredi, símbolo da juventude nobre siciliana, opina ao príncipe de Salina sobre a possível reunificação da Itália e a deposição dos Bourbon: “tudo deve mudar para que … Leia mais

Quincas Borba (Machado de Assis)

Aparentemente Quincas Borba (1891), obra da chamada “fase realista” de Machado de Assis, é um livro bem conhecido por várias pessoas, porém talvez nem todos tenham lido. Dentre os clássicos machadianos, tenho a impressão de que Memórias póstumas de Brás … Leia mais

Antologia do teatro brasileiro do séc. XIX – comédia

Como parte da coleção Penguin-Companhia das Letras, lançou-se há cerca de um mês a Antologia do teatro brasileiro do séc. XIX – comédia, organizada por Alexandre Mate e Pedro M. Schwarcz. Essa publicação vem muito a calhar em tempos nos … Leia mais

Duas peças de Machado de Assis (Parte Final)

Leia a primeira, segunda e terceira parte de Duas peças de Machado de Assis. (IV) Da epístola a Quintino Bocaiúva, enviando-lhe alguns exemplares de umas comédias suas para avaliação, é interessante que citemos os trechos mais citados: Se a minha … Leia mais

Duas peças de Machado de Assis (Parte 3)

Leia a primeira e a segunda parte de Duas peças de Machado de Assis. (III) A peça Tu, só tu, puro amor foi escrita em comemoração ao tricentenário de Camões, cujo monumento mais conhecido das comemorações é o da Estátua … Leia mais

Duas peças de Machado de Assis (Parte 2)

Leia a primeira parte de Duas Peças de Machado de Assis. Comecemos por 4: as mulheres são apenas citadas e referidas no decorrer da peça, ainda que sejam o motivo principal e o instrumento da engrenagem de funcionamento dela (o … Leia mais

Duas peças de Machado de Assis (Parte 1)

(I) Já é praxe que se considere o teatro machadiano como a parte mais irrelevante de sua obra, com motivos justos e justificados de sua inerente inferioridade em relação ao todo e ao gênero. No entanto, o fato do teatro … Leia mais

A famigerada lista de Vanessa Barbara – Afecções psiquiátricas

Vanessa Barbara tem 29 anos, é jornalista e escritora. Publicou O livro amarelo do terminal (Cosac Naify, 2008, Prêmio Jabuti de Reportagem), O verão do Chibo (Alfaguara, 2008, em parceria com Emilio Fraia) e o infantil Endrigo, o escavador de … Leia mais