Tudo o que você sempre quis saber sobre o Gui* (*mas tinha medo de perguntar)

Podia ser William, Henry, Holden, Falstaff – mas era para ser em português. Podia ser Capitu, Helena, Iracema, Diadorim – mas era para ser mais comum. Podia ser Pedro, José, André, Antonio – mas era Guilherme. Gui.

Solidão continental (João Gilberto Noll)

Mais uma vez temos a chance de ler uma obra de João Gilberto Noll (1946), escritor gaúcho considerado por muitos uma das figuras de destaque da ficção brasileira das últimas décadas. Premiado várias vezes, ainda hoje é um autor muito … Leia mais

O livro branco (vários autores)

Não poderia (embora gostaria de poder) garantir que o mundo inteiro ama os Beatles. Posso dizer, contudo, que é uma das bandas que mais se aproxima desse sentimentalismo universal – ainda que alguns a odeiem e que para algumas pessoas, … Leia mais

Quiçá (Luisa Geisler)

A primeira coisa que você provavelmente vai escutar sobre a Luisa Geisler é que ela tem 21 anos e dois livros lançados, sendo um deles um romance. A segunda coisa é que ela é a autora mais nova dos selecionados … Leia mais

Jack Kerouac: King of the Beats (Barry Miles)

Via de regra, Jack Kerouac é tido como um autor bastante cool: escreveu On the Road (cuja versão cinematográfica está em cartaz nos cinemas), Os Subterrâneos e Tristessa,  em que escreve sobre jovens que vivem de maneira extrema, usando drogas, … Leia mais

Acenos e afagos (João Gilberto Noll)

Assim como seu conterrâneo Caio Fernando Abreu, João Gilberto Noll (1946) é uma figura estabelecida em nossos meios literários, ainda que não seja tão estudado entre acadêmicos, por exemplo. O escritor gaúcho já ganhou diversos prêmios, inclusive o Jabuti cinco … Leia mais

Jack Kerouac: king of the beats (Barry Miles)

Na capa, uma fotografia em preto e branco, a mesma que está presente, invertida, do lado oposto do livro. Um carro rodando sobre uma estrada iluminada, delimitada por imensas margens, oceanos negros. Se você gira o livro nas mãos – … Leia mais

Mainstream (Frédéric Martel)

“Por que o modelo americano de entretenimento de massa domina o mundo? Esse modelo é essencialmente americano? Poderia ser reproduzido em outros países? Quais são os contramodelos emergentes?” Essas perguntas, apresentadas por Frédéric Martel logo na abertura de Mainstream, poderiam ser … Leia mais

O livro das coisas perdidas (John Connolly)

Se você for perguntado sobre quando aprendeu a ler, provavelmente responderá que foi na infância, isso se você teve a oportunidade de estudar desde cedo. Na escola, as primeiras palavras vão sendo formadas, lidas “de soquinho” e logo se transformam … Leia mais

Procura do romance (Julián Fuks)

Quando se procura algo, ou alguém, deve-se ter uma leve noção do que é que se quer e como se quer, uma mínima ideia para que seja lá o que for procurado não seja um simples equívoco. O problema maior … Leia mais

Um muro na Palestina (René Backmann)

Alguns anos atrás eu andei alimentando pensamentos a respeito da aliyah: o retorno a Israel. É o mecanismo pelo qual, com base no Hok Ha-Shvut, os judeus e seus descendentes, do mundo todo, podem obter a cidadania israelense e viver … Leia mais

Grau 26 – A Origem (Anthony E. Zuiker com Duane Swierczynski)

Sou culpado. Admito que comprei esse livro pela capa, mas em minha defesa alego que não foi a imagem ou o título estranho. O que me chamou a atenção foi, pela ordem: 1) a informação logo acima do titulo em … Leia mais