Contos húngaros (trad. e org. Paulo Schiller)

Apesar de existentes, meus conhecimentos a respeito da Hungria são um tanto quanto parcos: sei onde fica (no coração da Europa Centro-Oriental), sei que é composta por várias etnias (húngaros, sérvios, croatas, romenos, judeus, ciganos, eslovacos…) mas que sua etnia … Leia mais

A bandeira inglesa (Imre Kertész)

Imre Kertész é mais conhecido por Sem destino, seu testemunho a respeito do Holocausto. Foi assim, aliás, que eu o conheci. Mas não é tudo que ele escreveu, obviamente. Apenas esse testemunho – por mais forte que seja – não … Leia mais

Esquizofrenia Progressiva- A lição húngara

No dia primeiro de janeiro de 2012, entrou em vigor a nova constituição da Hungria. Vendida pelo governo conservador como a fase final para o país se afastar daquilo que foi a República Popular da Hungria. Ao que tudo indica, … Leia mais

The melancholy of resistance (László Krasnahorkai)

The melancholy of resistance, de autoria do húngaro László Krasnahorkai, é um livro bastante peculiar. Parece não conseguir decidir-se sobre que lugar ocupar na vasta gama de divisões e classificações da literatura. Parece haver qualquer coisa de um realismo mágico, … Leia mais

Verbos Auxiliares do Coração (Péter Esterházy)

Todos morreremos. Todos envelheceremos. E todos perderemos as pessoas que amamos. É sobre estas certezas que Péter Esterházy escreve em Verbos Auxiliares do Coração. Ou melhor, talvez seja com essas certezas que ele escreve sobre um fato bastante específico: a … Leia mais

Teoria do romance (György Lukács)

Ler Lukács não é uma tarefa fácil. O intelectual húngaro tem um estilo intrincado e ideias complicadíssimas de se expressar em palavras simples. Não à toa que seus textos se tornam complexos na medida em que ele vai penetrando no … Leia mais

A Língua Exilada (Imre Kertész)

“Uma escrita que sustenta a vivência frágil do indivíduo contra a arbitrariedade bárbara da história.” Assim a Academia Sueca de Literatura justificou, em 2002, a escolha do escritor húngaro Imre Kertész para ser galardoado com o Prêmio Nobel. Ele escreveu … Leia mais

Sem Destino (Imre Kertész)

Alguns dias atrás eu escrevi aqui sobre O Fiasco, do húngaro Imre Kertész. Eu mencionei que o livro era a segunda parte de um trilogia iniciada com Sem Destino e terminada com Kaddish para uma Criança não Nascida. Eis aqui, … Leia mais

O Fiasco (Imre Kertész)

O húngaro Imre Kertész, laureado com o Nobel em 2002, é um dos principais autores do Holocausto. Ele esteve em Auschwitz por um único dia, sendo transferido em seguida para Buchenwald, mas a experiência foi central em sua vida e … Leia mais

Liquidação (Imre Kertész)

Imre Kertész me colocou em uma baita cilada, arranjei um belo “problema” quando escolhi Liquidação em troca de uma resenha: nenhum parco texto de poucas linhas dará conta de exprimir com satisfação a angústia que o livro causa e todo … Leia mais

Imre Kertész: a voz do Holocausto

“Se eu penso em uma novela, eu penso novamente em Auschwitz. O que quer que eu pense, eu penso sempre em Auschwitz. Mesmo que eu aparentemente fale de algo totalmente diferente, é sobre Auschwitz que estou falando. Eu sou um … Leia mais

Veredicto em Canudos, de Sándor Márai

Entre 1896 e 1897 a jovem República dos Estados Unidos do Brasil enfrentou -de forma quase que anacrônica- os seguidores de Antônio Vicente Mendes Maciel, mais conhecido com Antônio Conselheiro. Na comunidade de Canudos, o conselheiro liderou centenas de homens … Leia mais